Aplicativo para alfabetização de crianças com autismo está disponível

Pesquisadora é belo-horizontina e levou quatro anos para desenvolver o game

  • por em 8 de julho de 2019

(Foto: divulgação)

Uma boa notícia para educadores e familiares que lidam com autistas: está disponível o Brainy Mouse (Rato Inteligente ou Rato Atrevido). Trata-se de um aplicativo em formato de jogo para celulares e tablets que auxilia, de forma lúdica, os pequenos neste processo de aprendizagem.

O aplicativo pode ser considerado um pequeno ajudante na estimulação da linguagem e alfabetização das crianças portadoras do transtorno do espectro autista (TEA). Sua criadora é a brasileira Ana Sarrizo, presidente da Brainy Mouse Foundation.

Os resultados em grupos testes com crianças de Belo Horizonte e São Paulo têm sido muito satisfatórios. O aplicativo existe nas versões em inglês e português. Ana levou gastou anos com as pesquisas.

O objetivo do jogo é trabalhar o desenvolvimento da linguagem por ela ser justamente um dos maiores desafios para a educação dos autistas. A forma como pensam, assimilam e compreendem o mundo ao seu redor é tão peculiar que, muitas vezes, nem mesmo os familiares ou os educadores estão preparados para lidar.

Para Ana Sarrizo, os adultos autistas já enfrentam muitas dificuldades, como o preconceito, por exemplo, e essa dificuldade aumenta ainda mais quando eles não sabem ler e escrever.

Estima-se que 3 milhões de brasileiros são autistas, de acordo com um estudo divulgado pelo Center of Control and Prevetion, órgão ligado ao governo dos Estados Unidos que aponta a incidência do TEA de 1 a cada 68 crianças.

Para Ana Sarrizo, os adultos autistas já enfrentam muitas dificuldades, como o preconceito, por exemplo, e essa dificuldade aumenta ainda mais quando eles não sabem ler e escrever. Estima-se que 3 milhões de brasileiros são autistas, de acordo com um estudo divulgado pelo Center of Control and Prevetion, órgão ligado ao governo dos Estados Unidos que aponta a incidência do TEA de 1 a cada 68 crianças.

O game trabalha a leitura da esquerda para direita, formação de palavras usando sílabas, interação com cores, sons e outros dispositivos cognitivos, tudo que possa ajudar o usuário a trabalhar seu desenvolvimento de forma lúdica e bem interativa.

A criança pode customizar seu ratinho, além de enfrentar o desafio de conseguir “cheesecoin”, uma espécie de moeda virtual. O game ainda tem o “Rato Amigo”, um dispositivo que tem como objetivo de incentivar, de forma inconsciente, a atitude de pedir ajuda ao próximo.

De Belo Horizonte para o mundo

Em 2013, a pesquisadora Ana Sarrizo pensava apenas em contribuir com os portadores de TEA de Belo Horizonte, sua cidade natal. O sucesso foi tão grande que um professor de Ana a aconselhou se inscrever no prêmio Santander, do qual foi vencedora entre 17 mil propostas voltadas para a educação.

Com os R$ 100 mil do prêmio e uma bolsa no curso de empreendedorismo da Babson College, uma das mais importantes do mundo, decidiu criar a Brainy Mouse Foudation, nos Estados Unidos, o que a deixou mais próxima das pesquisas mais relevantes sobre autismo.

A fundação tem como objetivo ajudar instituições do mundo inteiro, familiares e educadores que já trabalham com crianças e adultos com TEA, produzindo games e ferramentas que vão auxiliá-los no seu progresso dia a dia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
0 0
Views:
318
Categorias:
Notícias